Dinheiro é sujo! Nada dá certo para mim! Os homens não prestam! Nunca vou conseguir realizar meus sonhos! Eu não tenho tempo! Os outros têm mais sorte do que eu! Só vou ser feliz quando ganhar muito dinheiro! A vida é muito complicada! Só rico prospera…

Se você já ouviu frases como essas, ou, as repete com frequência em sua vida, saiba que todas elas impedem você de alcançar o sucesso que tanto deseja!

Já que as nossas crenças limitantes são responsáveis pela maneira como pensamos, sentimos e agimos, e nossos comportamentos são todos pautados em relação àquilo que acreditamos.

As interpretações e pensamentos que você tem do mundo e da sua vida são determinantes e influenciam tudo ao seu redor, e  principalmente, impedem você de alcançar a Alta Performance.

Mas se você quer atingir seus objetivos e realizar todos os seus sonhos, precisa aprender a ressignificar suas crenças, pois elas condicionam seus comportamentos e fazem com você aja sempre do mesmo jeito, o que inevitavelmente te faz viver num círculo vicioso.

Se você quer mudar, mas não sabe como essas crenças surgiram ou como se instalaram em sua vida, esse artigo é para você!

Para alcançar a Alta Performance e o sucesso, precisamos parar de alimentar os mesmos padrões e contar novas histórias para nós mesmos.

Como as nossas crenças surgem?

A crença, de maneira muito simples, é tudo aquilo que acreditamos e assumimos como verdade em nossas vidas.

Ela nasce através das histórias que contamos para nós mesmos, e pode vir de um sentimento originado de uma situação do passado, como na infância por exemplo, e ser ativada por meio do ambiente, que de alguma maneira nos faz reviver essa mesma situação.

Depois de muitos anos de Treinamentos, ouvi diversas histórias, e gostaria de partilhar com vocês, para que entendam de forma simples como uma crença se instala em nossa vida, e sem nem perceber, a reproduzimos através dos nossos comportamentos.

Certa vez uma executiva bem-sucedida me procurou e compartilhou que tinha uma dor física muito constante, que já tinha ido a muitos médicos, mas que nada havia mudado.

Conforme ela ia me contando sua história de vida, percebi o quanto era rígida com si mesma. Seu avô havia ido à falência e perdido todo o dinheiro da família, e logo cedo ela teve que ser autossuficiente.

A partir desse episódio, ela criou uma armadura de aço e vivia dizendo para si mesma: “Na minha vida não tenho mais ninguém, sou só eu, não posso fraquejar, não posso ficar doente, não posso sentir dor, tenho que me resolver.”

Ela passou a afastar todos os homens da sua vida, se dizendo poderosa, forte, autossuficiente e que não se permitia ser ajudada por eles.

Era uma situação inconsciente, porque ela havia vivido um contexto de escassez relacionado à figura masculina, mas o que ela queria na verdade, era carinho, proteção  e ser cuidada.

Você consegue perceber como uma crença se instala?

Isso gerou consequências enormes na vida dessa executiva. A crença de que ela precisava ser forte o tempo todo fazia com que ela afastasse todas as figuras masculinas da sua vida, a impedindo de receber carinho, proteção e cuidado.

Nossos principais medos, muitas das vezes se traduzem em emoções que evitamos sentir, e essas necessidades não atendidas, de alguma maneira, viram medos e frustrações até se transformarem em crenças limitantes e se estruturarem como nossos modelos mentais.

E o pior que ainda acontece, é que essas crenças limitantes são externalizadas em nossos comportamentos, e com o passar do tempo ficam tão arraigadas que acreditamos que aquele jeito de ser é mais forte que a gente.

O medo até pode ser uma coisa boa, porque ele traz insights, mas o medo excessivo nunca é benéfico, porque ele nos limita e nos impede de seguir em frente.

Que “historinha” você conta para si mesmo?

A história de vida dessa executiva é só um exemplo, mas existem muitos tipos de crenças limitantes: você coloca, por exemplo, toda a felicidade da sua vida numa conta bancária que sonha ter? Como assim P.A.?

Se você é aquela pessoa que diz por aí que só será feliz o dia que tiver um emprego que lhe pague uma quantia muito alta, essa pode sim, ser uma crença que esteja impedindo você de alcançar e viver sua felicidade.

Veja bem, não estou dizendo que dinheiro não traz felicidade, isso gera polêmica e todos nós sabemos. O que estou dizendo é que o dinheiro não é o fim para a felicidade.

Não é somente pelo dinheiro que seremos realmente felizes, e da mesma forma, ele não deve ser considerado como um mal. O dinheiro é necessário, mas devemos saber usá-lo com sabedoria para possibilitar situações que tragam felicidade e que nos proporcionem momentos eternos.

Existem muitas crenças a respeito do dinheiro: quem por exemplo, nunca ouviu um adulto dizer quando era criança, que dinheiro era sujo?

Isso não é algo em que acreditamos, pois quando criança não temos esse discernimento, mas acontece que crescemos acreditando nisso, e quando nos tornamos adultos, construímos uma relação negativa com o dinheiro.

Existem outras tantas crenças que vão sendo reproduzidas por nós sem nem percebermos, e que “colam” em nós como uma segunda pele.

O que tem te impedido de emagrecer? O que tem te impedido de cultivar melhores pensamentos? De ter emoções melhores? O que te impede de acordar cedo ou colocar energia naquilo que vai te trazer mais benefícios?

“Eu não gosto de academia, não me sinto bem em ambientes fechados, já tentei de tudo.. Eu preciso de um pouco de tranquilidade quando chego em casa, já trabalhei muito..”

O grande problema das crenças é que elas limitam nosso verdadeiro potencial, e todos temos muita competência para buscar o sucesso e viver com performance, mas o que acontece é que muitas vezes acreditamos em verdades que não são nossas.

E você P.A., já cultivou alguma crença?

Vou compartilhar com vocês uma história da minha vida, que partilhei com os leitores do meu livro #Atitude que te move, e que vai te ajudar a entender ainda mais como uma crença pode ser prejudicial.

Em 2005 decidi que escreveria um livro, mas sempre que começava dizia a mim mesmo: “Não, não vou escrever agora porque as pessoas merecem um livro melhor, tenho que me preparar mais, acho que tem muito livro por aí feito de qualquer jeito e eu não quero”.

Pronto, me convencia. E em outros momentos também dizia: “Ah não, estou num momento da vida em que sinceramente priorizo ficar com a minha filha, me divertir, mereço fazer outras coisas, afinal, trabalho tanto, faço tanto, já realizei tanto..”

E mais uma vez o que acontecia? Eu procrastinava!

Contamos histórias muito poderosas para nós mesmos e vamos empurrando com a barriga a possibilidade de novas atitudes e novas histórias que poderíamos contar para que nossa realidade fosse diferente.

Mas eu te pergunto: Essas crenças escondidas por trás dessas historinhas vão trazer resultados diferentes em sua vida?

Saiba que a historinha que você conta para ajudar a se convencer a ter tal resultado não vai te auxiliar em nada. Eu mudei meus pensamentos e minhas atitudes. 

É incrível como minha vida mudou e eu comecei a realizar muitas coisas, inclusive escrever meu livro.

As pessoas me perguntam: “P.A. como você arruma tempo para fazer tanta coisa?” É simples: “Eu estou mais eficiente e mais focado, parei de contar as mesmas historinhas que me mantinham estagnado”.

As crenças podem ser ressignificadas?

É importante você saber o que molda a sua vida, se as coisas que você acredita, são de fato suas. Se não foram herdadas de seus pais, do ambiente ou de experiências ruins que você mesmo foi acumulando ao longo da vida.

Por isso, em algum momento você precisa se questionar:

Quais crenças eu tenho a respeito da vida?

Que crenças eu cultivo sobre as pessoas?

E a respeito do dinheiro, que crença eu tenho cultivado?

Quais são as crenças que eu tenho a respeito do trabalho?

E sobre o amor? Quem de fato você acredita ser?

Eu acredito que todas as pessoas têm infinitas possibilidades de se desenvolver e que nosso conjunto de valores mudam nossa identidade. Essa é a crença consciente que decidi acreditar. E que todos têm o mesmo potencial para isso.

É possível ressignificar nossas crenças e transformá-las em crenças potencializadoras.

Esqueça todas as historinhas que você sempre contou a si mesmo e passe a contar novas histórias para sua vida: “Eu mereço sucesso! As coisas dão errado para todas as pessoas, não só para mim! Eu sou bom o suficiente! Tem muitos homens bons! Eu vou conseguir realizar os meus sonhos! Todas as pessoas podem prosperar!”

Para eliminar as crenças limitantes e transformá-las em potencializadoras é preciso ressignificar suas histórias e experiências negativas, que criaram os bloqueios e limitações que impedem você de viver com alta performance.

E isso se dá aos poucos, é um exercício mental que precisa ser praticado sempre. Toda vez que perceber que está agindo conforme os padrões e modelos mentais de crenças que não suas, pare e pense se o seu comportamento vai contribuir para que tenha sucesso em sua vida.

Nunca se esqueça que quando uma área da nossa vida não está bem, temos tendência a apresentar comportamentos inadequados, e prejudicar todas as outras. Se queremos evoluir, precisamos ter equilíbrio em todas as áreas da nossa vida.

As crenças limitantes fazem com que nós vivamos abaixo do nosso verdadeiro potencial

Mas se você quiser começar agora mesmo a transformar a crença de que não tempo para nada, essa é a sua chance: conheça a Roda da Vida, uma ferramenta muito poderosa que vai te ajudar a descobrir quais áreas você precisa dedicar mais atenção.

Ela pode ser determinante para você  começar a transformar suas crenças limitantes em crenças potencializadoras!

#Atitude que te move!

Um abraço, 

Paulo Alvarenga (P.A.)